Pular para o conteúdo principal

A música instrumental de Aracaju


Três músicos costumavam tomar café e bater papo aos sábados à tarde. Três aracajuanos, instrumentistas de formações diversas e um gosto comum pela Musica Instrumental. Assim surgiu o grupo 'Café Pequeno', em 2004, composto por Pedrinho Mendonça na Percussão, Júlio Rêgo na Gaita e Guga Montalvão ao Violão.


Pedrinho Mendonça, percussionista natural de Aracaju, estudou no Conservatório de Música de Sergipe, com Wallace da Silva Patriarca. Fez cursos com Naná Vasconcelos, Pinduca, Luiz Carlos "Chuim" de Siqueira, Marcos Suzano, Hermeto Pascoal, John Boudler. Participou da Orquestra Sinfônica de Sergipe, de shows e CDS de diversos artistas. Fundou e tem dirigido o grupo Burundanga de ensino e execução de instrumentos percussivos por métodos alternativos. Júlio Rêgo começou a tocar gaita em meados da década de 90, sob a orientação de Flávio Guimarães (RJ). Morou por alguns anos na Inglaterra e Holanda, por lá tocou em vários pubs, ruas e casas de shows. De volta ao Brasil participou de shows e CDS de diversos artistas, tocando Rock, Pop, Blues, Reggae, Forró, MPB, entre outros estilos, além de jingles e trilhas para filme e teatro. Teve aulas ainda com Rodrigo Eberienos (RJ) e Otávio Castro (RJ). Com este último, começou a estudar a técnica de “cromatismo” na gaita diatônica. Em 2005, foi uma das atrações do 4° Encontro Internacional de Harmônicas no SESC Pompéia/SP e, em 2006, do 2º Fórum de Harmônicas Brasil na cidade de Fortaleza-CE. Guga Montalvão teve suas primeiras aulas de violão com um mestre do choro sergipano: João Rodrigues, prosseguindo sua iniciação musical no Conservatório de Musica de Sergipe, na década 80. Em 1987, quando saiu de Sergipe para morar em Campina Grande, onde conheceu o extraordinário músico Carlinhos Moreira, do Piauí, com quem fundou o grupo de música instrumental estudantil 'Salvo Conduto' (gaita, flauta e dois violões), que fez apresentações em teatros do interior da Paraíba e em Campina Grande. Daí para diante, continuou seu estudo da música de forma autodidata, com exceção de uma breve passagem (6 meses, em 1999) como aluno da Ecole Nationale de Musique et Danse, na França. De volta ao Brasil, fundou, juntamente com Júlio Rêgo e Pedrinho Mendonça, o grupo de música instrumental 'Café Pequeno', em 2004.

www.myspace.com/cafepequenoinstrumental

Comentários

Unknown disse…
Olá, Leandro. Vi que passou pela Paraíba, Campina Grande.

Gostaria de saber se sabes me indicar alguém com quem eu possa ter aulas de gaita.

Agradeço a atenção.

Sucesso!
Leandro Ferrari disse…
Olá! Procure neste site: www.gaitanet.com

Abs!
Krissylane disse…
Leandro, pode indicar alguém que possa me dar aulas de gaita em Aracaju?
Leandro Ferrari disse…
Opa! Anota aí: Julio Rego
https://www.facebook.com/julio.rego.378

Postagens mais visitadas deste blog

MÉTODO PARA GAITA DIATÔNICA - LEANDRO FERRARI - GAITA FOLK, POP & ROCK - VOLUME 1

R$ 49,00 PIX CNPJ:  21.081.155.0001/70 Método digitalizado + audio Contato Whatsapp: Leandro Ferrari +55 73 998707338 +44 7376934825 1a Edição  ( EQUIPE MIDIDÁTICA CONSULTORIA LTDA CHEESEBREAD STUDIOS) Título: MÉTODO PARA HARMÔNICA DIATÔNICA - LEANDRO FERRARI - GAITA FOLK, POP & ROCK - VOLUME 1 Autor: Leandro Ferrari Original de Belo Horizonte/MG/Brasil Revisão: Fernanda Shairon Ilustração: Marcelo Braga (EQUIPE MIDIDÁTICA CONSULTORIA LTDA & CHEESEBREAD STUDIOS) Diagramação: Yuri Martuccelli (EQUIPE MIDIDÁTICA CONSULTORIA LTDA & CHEESEBREAD STUDIOS) Direção Geral: José Renato Caldeira de Souza (EQUIPE MIDIDÁTICA CONSULTORIA LTDA & CHEESEBREAD STUDIOS) Foto: Karlis Smits Design Logo: Marcão Freak Formato:  DIGITALIZADO Num. págs. 126 páginas Fotos: https://www.facebook.com/media/set/?set=a.10150938373933331.436116.827753330&type=1&l=5b63f7b595 Conteúdo:  O método é dividido em 100 aulas práticas e teóricas e acompanha
Spotify:  https://open.spotify.com/artist/5iTI2v1yC3rToB3xWHYw7a?si=y4MZPMZvTHetHrXhtIX1-g

Gaita e Efeitos

A utilização de pedais, filtros e truques de estúdio na gaita vêm de muito tempo. Tudo começou com Little Walter; preocupado em não perder espaço para as guitarras que haviam sido eletrificadas após a segunda guerra mundial ele adotou um procedimento simples, ligou um pequeno microfone em um amplificador e mudou de vez a história da gaita. Além de usar este método para obter mais volume ele também explorou novos timbres e efeitos até então inéditos. Segundo o pesquisador Madison Deniro ele foi o primeiro músico a utilizar, propositadamente, uma distorção eletrônica. Você pode notar então que a história da guitarra elétrica se cruza com a história da gaita elétrica. Mas por alguns motivos, dentre eles o conservadorismo dos músicos e do público de blues (diga-se de passagem, que tem todo meu respeito e meu entendimento, pois é necessário exaltar e manter as raízes e a história, também) a gaita não acompanhou o desenvolvimento da guitarra. Nomes como Jimi Hendrix, Jeff Back, Jr. Tostoi