Pular para o conteúdo principal

Pedais - O que são, como funcionam, para que servem e dicas sobre cada efeito. 3ª parte.


>>> Grupo dos efeitos de MODULAÇÃO <<<

Estão inclusos no grupos efeitos como CHORUS, FLANGER, SIMULADORES DE LESLIE, PHASER, VIBRATO/TREMULO, RING MODULATOR, etc.
Se formos contar de verdade esse grupo pode ficar gigante se começarmos a contar efeitos vindos da combinação de outros de modulação já existente.

Indico para aprendizagem sobre modulação, os artigos do nosso amigo de FCC, o OldMonkey/Macaco veio, “como montar um chorus e flanger”, lá além da montagem ele explica de forma magistral esses efeitos, funcionamento, etc.

A categoria de modulação trabalha dentro do principio de dobra de sinal, alteração na freqüência, alteração da afinação, alteração da amplitude, alteração na fase do sinal.

PS. Se levar o conceito ao pé da letra os efeitos de PITCH podem ser inclusos em modulação, mas nesse tópico vou colocar em grupo separado.
Descreverei os principais.

CHORUS:
Para entendermos como funciona um chorus, vamos imaginar a seguinte situação: se dois guitarristas tocam o mesmo acode/nota ao mesmo tempo várias vezes, os dois sons gerados por eles vão ter um certo atraso gerado pela diferença execução existente entre um guitarrista e outro, os dois sons estarão sutilmente desafinados, visto que cada guitarrista tem sua “pegada”, e também os sons estarão diferentes devido aos equipamentos serem diferentes (mesmo se for da mesma marca e modelo, nenhum equipamento é igual a outro, nem que essa diferença seja sutil, mas existe). O chorus faz exatamente isso, só que eletronicamente. O atraso gerado geralmente é algo em torno de 20ms e 30ms e esse atraso é somado à onda original, gerado pela guitarra.
Este atraso é levemente desafinado pela variação de velocidade da onda. Imagine dois toca fitas tocando junto só que um deles têm uma leva variação de velocidade, isso gerará uma desafinação e quando os dois forem somados haverá um Chorus.
A variação de velocidade da onda é gerada pelo LFO (Low Frequency Oscilator) – oscilador de baixas freqüências. Variando sua velocidade, o LFO faz mudanças em freqüências muito baixas, fazendo uma leva desafinação no sinal que é dobrado.

Os botões de regulagens que geralmente compõem essas unidades são:
Depth – controla a profundidade da onda dobrada, acentuando ou atenuando a desafinação.
Rate / Speed – Controle de velocidade da oscilação, o distanciamento da afinação (pitch) original.
Outros – os chorus modernos possuem outros recursos como Volume do efeito, Tone para dar mais um brilho no efeito e até um botão (no caso do Ibanez CF-7) chamado 10ms que atrasa mais 10ms do sinal já atrasado. Mas o que comando realmente o chorus é o Depth e o Rate, qualquer outro botão é recurso adicional.

Exemplos:
Boss CE-1 Chorus Ensemble
Boss CE-2 Chorus
Boss CE-3 Chorus
Boss CE-5 Chorus Ensemble
Boss CEB-3 Bass Chorus
Boss CH-1 Super Chorus
Boss DC-2 Dimension C
Boss DC-3 Digital Dimension
Boss PS-3 Pitch Shifter Delay
Danelectro Cool Cat Chorus
Digitech XMC Multi Chorus
DOD FX-65 Stereo Chorus
Dunlop Rotovibe
Dunlop UniVibe
Electro-Harmonix Clone Theory Chorus/Vibrato
Electro-Harmonix Memory Man Deluxe Delay
Electro-Harmonix Small Clone Analog Chorus
Electro-Harmonix Stereo PolyChorus
Fulltone ChoralFlange
Fulltone Deja 'Vibe
Ibanez BC-9 Bi-Mode Chorus
Ibanez BCL Bi-Mode Chorus
Ibanez CF-7 Chorus/Flanger
Ibanez DML-20 Modulation Delay III
Ibanez PDM1 Programmable Modulation Delay
Ibanez SC-9 Stereo Chorus
LandScape Angel Chorus
Line 6 MM-4 Modulation Modeler
Maxon CS-9 Pro STEREO CHORUS PRO
MXR Micro Chorus
MXR Stereo Chorus
Roger Mayer Voodoo Vibe
Sweet Sound Ultra-Vibe Chorus/Vibrato
TC Electronic TCF Chorus/Flanger
Tokai TCH-1 Chorus
Yamaha AG Stomp Acoustic Preamp / Mic Modeler / FX
Yamaha CH-10MII Chorus

FLANGER:
Esse efeito é semelhante ao phase e foi usado pela primeira vez em uma gravação pelo inovador guitarrista Les Paul.
Inicialmente o principio de funcionamento é igual do chorus (dobra + atraso + desafinação + sinal original), mas quando esse chorus foi soar, pegaram essa saída e jogaram novamente na entrada, ou seja, pegaram o sinal que ia sair de um chorus e realimentaram ele, jogando esse sinal na entrada novamente. Então o sinal é tratado como chorus e volta para um segundo tratamento causando um efeito de “redemoinho” ou de “avião a jato”.
Na verdade esse efeito acontece devido a realimentação do sinal que provoca o cancelamento de algumas freqüências criando a sensação de decaimento e aumento em alguma delas.
O flanger permite então vários ajustes, desde um chorus comum (é só deixar o botão Res ou Resonance ou Feedback no zero e ajustar o Depth e o Rate) passando por sons metálicos com ambiências reflexivas a dimensões pequenas (algo como um cano d’agua) até o som de aviões a jato.

Os botões de regulagens que geralmente compõem essas unidades são:
Depth – controla a profundidade da onda dobrada, acentuando ou atenuando a desafinação.
Rate / Speed – Controle de velocidade da oscilação, o distanciamento da afinação (pitch) original.
Res / Resonance / Feedback / Regen – esse é o responsável pela quantidade de sinal que realimentará o efeito, quanto mais realimentação, mais presente será o efeito flanger.
Outros – os flangers modernos possuem outros recursos como Volume do efeito, Tone para dar mais um brilho no efeito e até um botão (no caso do Ibanez CF-7) chamado 10ms que atrasa mais 10ms do sinal já atrasado. Mas o que comando realmente o flanger é o Depth, o Feedback e o Rate, qualquer outro botão é recurso adicional.

Exemplos:
ADA Flanger
Boss BF-2 Flanger
Boss DC-2 Dimension C
Digitech XTF Turbo Flange Stereo Flanger
DOD 101 Flanger
DOD FX-75C Stereo Flanger
DOD FX747 Supersonic Stereo Flanger
Electro-Harmonix Electric Mistress Flanger
Electro-Harmonix Stereo PolyChorus
Fulltone ChoralFlange
Ibanez CF-7 Chorus/Flanger
Ibanez DFL Flanger
Ibanez DML-20 Modulation Delay III
Ibanez FL-9 Flanger
Ibanez PDM1 Programmable Modulation Delay
Line 6 MM-4 Modulation Modeler
Musictronics/Mutron Flanger
MXR Micro Flanger
MXR Stereo Flanger
Pearl Flanger
Ross Flanger
TC Electronic TCF Chorus/Flanger
Tychobrahe Pedal Flanger
Vox Flanger

PHASER:
Esse é o efeito em que Eddie Van Halen arrebentou, confira o trabalho “Atomic Punk” desse mestre da guitarra.
O phaser era produzido originalmente gravando e reproduzindo o mesmo sinal em dois gravadores; as variações de pitch e velocidade provocam um efeito (wooshing). Largamente utilizado nos anos 60 pelas bandas psicodélicas, o phaser continua a ser um efeito popular. Esta unidade data de meados dos anos 70.
O interessante resultado sonoro caracterizado neste efeito é obtido da seguinte forma: soma-se à onda original uma onda de mesma freqüência e amplitude, mas com uma variação temporal e linear de fase, o que resulta em uma série de interferências construtivas e destrutivas. O único parâmetro desse tipo de efeito é a freqüência com que varia a fase da onda somada à original.
O efeito de phase emprega atrasos muito curtos na faixa de 1 a 10 ms. Quando o sinal original é atrasado em relação ao sinal repetido ocorre um efeito conhecido por comb filter no qual as freqüências cujos períodos estão diretamente relacionados ao tempo de atraso são atenuadas e reforçadas devido ao cancelamento de fase. Efeitos de phase utilizam um determinado número de filtros para gerar o efeito comb. Usando um modulador (LFO) para mover esse filtro dentro de uma determinada região do espectro causa um cancelamento de fases variável dependente das frequências usadas.
A diferença entre phase e flanger é que neste último a atenuação e o reforço das frequências ocorrem em intervalos regulares enquanto que no phase isso depende da disposição dos filtros. Além disso, no phase o espaçamento, a largura e a intensidade (depth) podem ser variáveis. Em geral, flange tem um efeito no campo das alturas mais pronunciado que o phase.

Os botões de regulagens que geralmente compõem essas unidades são:
Rate / Speed - Determina a velocidade com o que o modulador irá varrer ciclicamente a faixa de espectro determinada.
Range - determina essa faixa do espectro a ser varrida pelo modulador.
Outros - filtros, feedback loop.

Exemplos:
ADA Final Phase
Big Briar Mooger Fooger MF-103 Phaser
Boss PH-1 Phaser
Boss PH-1r Phaser
Boss PH-2 Super Phaser
Boss PH-3 Phaser Shifter
DOD FX20C Stereo Phaser
Electro-Harmonix Bad Stone Phaser
Electro-Harmonix Small Stone Phaser Russian
Electro-Harmonix Small Stone Phaser USA
Fulltone Deja 'Vibe
Guyatone PS-3 Phase Shifter
Ibanez PDM1 Programmable Modulation Delay
Ibanez PH-7 Phaser
Ibanez PT-707 Phasetone II Phaser
Ibanez PT-9 Phaser
Ibanez PT-909 Phase Tone Phaser
Line 6 MM-4 Modulation Modeler
Maestro Phase Shifter
Motorphasor Phaser
Musictronics/Mutron Bi-Phase Phaser
Musictronics/Mutron Phaser II
MXR Phase 100 Phaser
MXR Phase 45 Phaser
MXR Phase 90 Phaser
Pearl Phaser
Ross Phaser
TC Electronic XII Progammable Phaser
Tokai TPH-1 Phaser
UniVox Micro-Fazer Phaser
Yamaha PH-10MII Phaser

SIMULADORES LESLIE / ROTARY SPEAKER:
Efeito obtido originalmente com uma caixa acústica girando, o que produz alterações de fase interessantes, principalmente em timbres de órgão e cordas. Esse efeito foi primeiramente gerado pela caixa Leslie, que era muito usada com os antigos órgãos Hammond. Para guitarra esse efeito é algo próximo de um chorus.
Qual a diferença entre caixa Leslie e Rotary Speaker??? Simples. A Leslie é um objeto que possui “falantes” acoplados a um motor. Rotary Speaker é o efeito que gerado pela Leslie, quando os falantes estão girando.

Exemplos:
DOD FX22 VibroThang
Dunlop UniVibe
Fulltone Deja 'Vibe
Hughes and Kettner Tube Rotosphere
UniVox Uni-Vibe
UniVox UniVibe
VooDoo Lab Micro Vibe

VIBRATO / TRÊMULO:
O conceito de vibrato e trêmulo se confundem, na verdade é até caso de muitas discussões. É certo que realmente esses dois itens se confundem, principalmente porque até fabricantes de pedais fazem pedais chamados Trêmulo e pedais chamados Vibrato, mas eu não vou discutir com ninguém mas vou postar aqui minhas conclusões mediante as pesquisas que fiz.
Então, qual é a diferença entre vibrato e trêmulo??? O conceito de vibrato é múltiplas variações de tom, você treme a mão esquerda, como se estivesse fazendo vários bends menores na mesma nota ou treme a sua ponte fazendo o mesmo efeito. Trêmulo é a técnica usada para obter o efeito de Vibrato. Isso mesmo a técnica que consiste em tremer a corda com a mão ou com a alavanca, gerando um Vibrato é exatamente o Trêmulo. Resumindo Trêmulo é a técnica, a execução que tem por resultado o efeito vibrato.
Nos pedais isso não passa de variação da freqüência do sinal. A esse sinal que sofre a variação de freqüência não é adicionado o sinal original como acontece no chorus, flanger, por exemplo.
Existem também versões que apontam que Vibrato é variação de tom (como expliquei acima) e Trêmulo é uma variação periódica de amplitude (como variar periodicamente o botão de volume num aparelho de som).
Fica a critério de cada um escolher em qual versão acreditar. Ambas as explicações têm nexo...

Exemplos:
Boss PN-2 Tremolo Pan
Boss PS-5 Super Shifter
Boss TR-2 Tremolo
Boss VB-2 Vibrato
Colorsound Tremolo
Diaz Tremodillo Tremolo
DOD FX22 VibroThang
Dunlop Rotovibe
Dunlop UniVibe
Dunlop TS-1 Tremolo Stereo Pan
Dunlop TVP-1 Tremolo Volume
Electro-Harmonix Clone Theory Chorus/Vibrato
Electro-Harmonix Memory Man Deluxe Delay
Electro-Harmonix Wiggler Tremolo / Vibrato
Fulltone Deja 'Vibe
Guyatone VT-3 Vintage Tremolo
Hughes and Kettner Tube Rotosphere
Line 6 MM-4 Modulation Modeler
Prescription Electronics Throb Tremolo
Rocktron Surf Tremolo/Compressor
Roger Mayer Voodoo Vibe
Sweet Sound Ultra-Vibe Chorus/Vibrato
VooDoo Lab Micro Vibe
VooDoo Lab Tremolo
Zvex Seek Wah / Tremolo / Filter

OUTROS MODULADORES:
Como eu disse anteriormente se for para descrever todos os efeitos moduladores, isso precisaria de um trabalho muito grande, pois alem dos três (chorus, flanger e phaser) descritos existem outros que são combinação ou variação um dos outros. Enfim onde houver uma variação ou de fase, ou de freqüência e até mesmo de amplitude e que essa variação ou essas variações seja combinada com o sinal original poderá ser um modulação. Depois, ainda, desse resultado obtido, se usa-lo para realimentar o circuito haverá mais opções de efeitos todos oriundos de uma modulação ou modulações sejam elas quais forem.

Exemplos:
Big Briar Mooger Fooger MF-102 Ring Modulator
DOD FX13 Gonkulator Ring Modulator
Fender Blender Fuzz Octave
Maestro Ring Modulator

Fonte: Fernando Almeida
http://forum.cifraclub.terra.com.br/membro_51834.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÉTODO GRATUITO PARA GAITA DIATÔNICA - LEANDRO FERRARI - GAITA FOLK, POP & ROCK - VOLUME 1

ClICK AQUI PARA DOWNLOAD GRÁTIS  CLICK AQUI PARA DOAÇÕES   AULAS DE GAITA ONLINE: www.leandroferrari.com 2a Edição  ( EQUIPE MIDIDÁTICA CONSULTORIA LTDA CHEESEBREAD STUDIOS) Título: MÉTODO PARA HARMÔNICA DIATÔNICA - LEANDRO FERRARI - GAITA FOLK, POP & ROCK - VOLUME 1 Autor: Leandro Ferrari Original de Belo Horizonte/MG/Brasil Revisão: Fernanda Shairon Ilustração: Marcelo Braga (EQUIPE MIDIDÁTICA CONSULTORIA LTDA & CHEESEBREAD STUDIOS) Diagramação: Yuri Martuccelli (EQUIPE MIDIDÁTICA CONSULTORIA LTDA & CHEESEBREAD STUDIOS) Direção Geral: José Renato Caldeira de Souza (EQUIPE MIDIDÁTICA CONSULTORIA LTDA & CHEESEBREAD STUDIOS) Foto: Karlis Smits Design Logo: Marcão Freak Formato:  DIGITALIZADO Num. págs. 126 páginas Fotos: https://www.facebook.com/media/set/?set=a.10150938373933331.436116.827753330&type=1&l=5b63f7b595 Conteúdo:  O método é dividido em 100 aulas práticas e teóricas e acompanha arquivos de áudio (b
Spotify:  https://open.spotify.com/artist/5iTI2v1yC3rToB3xWHYw7a?si=y4MZPMZvTHetHrXhtIX1-g

Milk’n Blues: Blues & Pop

"Uma brincadeira que se tornou um vício! É assim que as vocalistas Anne Glober e Aline Mota definem o início da banda Milk´n Blues, em dezembro de 2011. As duas garotas, que são amigas de infância, estavam com enorme vontade de gravar um vídeo de suas músicas “covers”. Para isso, necessitavam do acompanhamento de um bom guitarrista. Foi então que se lembraram de Ricardo Maranhão, o professor violão e vizinho de Anne, imediatamente aceitou o convite. O trio se reuniu, definiu as canções, gravou dois vídeos e postou na internet. Em dois meses, tornou-se sucesso de visualização e comentários positivos do público. Todos os comentários seguindo este tom: “Nossa, versão de muito bom gosto. Muito bom mesmo. Tanto as vozes quanto os instrumentos muito bem colocados. Sensacional! Parabéns!”. Logo em seguida, as meninas e o professor de violão ganharam o reforço da gaitista Indiara Sfair, que acrescentou “magia” ao som dos três. Pois bem, com quatro integrantes o grupo já merecia um no