Pular para o conteúdo principal

Pink Floyd: blues e psicodelia


O Pink Floyd evoluiu de uma banda de blues-rock formada em 1964 (que teve vários nomes - Sigma 6, The Meggadeaths, T - Set e The Abdabs, The Screaming Abdabs, The Architectural Abdabs) para uma banda distinta, até difícil de se classificar.

Quando a banda se separou pela primeira vez, os guitarristas Rado "Bob" Klose e Roger Waters, o baterista Nick Mason e o instrumentista de sopro, Rick Wright formaram uma nova banda, chamada "Tea Set". Depois de um pequeno período com o vocalista Chris Dennis, o guitarrista e vocalista Syd Barrett se juntou à banda, com Waters mudando para o baixo. O nome definitivo "Pink Floyd" foi fruto da imaginação de Syd Barrett e nada mais é que a união dos nomes de dois músicos de blues da Georgia (Pink Anderson e Floyd Council).
Ao entrarem no escritório para assinarem o primeiro contrato, um dos executivos com um charuto na boca foi logo perguntando, "Qual de vocês é o Pink?" Mesmo depois de explicado que Pink Floyd se trata apenas do nome da banda, esta pergunta ocasionalmente voltava a ser feita. Mal sabiam alguns que existia um Pink como também um Floyd, apenas não eram da banda. Desde então, Syd Barrett contou até que o nome foi telepaticamente transmitido para ele por um OVNI que passava certo dia. Porém a versão mais aceita durante os primeiros anos da banda e largamente divulgada era de que se tratava do nome de um disco. O disco chamava-se "The Pink Floyd Sound", o nome da banda sendo rapidamente abreviado para apenas Pink Floyd. Este disco conta a versão, foi gravado pela dupla obscura de blues Pink Anderson e Floyd ‘Dipper Boy’ Council.
Embora os dois músicos sejam da mesma parte da América, não há evidência alguma de que Pink e Floyd sequer se conheciam, quanto mais teriam gravado como uma dupla. Não existe nenhum disco chamado "The PINK FLOYD Sound", e hoje se sabe que a união das forcas destes dois artistas obscuros ficou por conta apenas da mente criativa de Syd Barrett. O livro "Shine On Your Crazy Diamond", biografia sobre Syd Barrett, conta que Syd havia viajado para Cambridge à procura de um vocalista para sua banda. Não encontrou o cantor, mas acabou comprando dois discos, e na viagem de trem de volta, possivelmente enquanto namorava a capa, pensou na hipótese de juntar o nome destes dois artistas, Pink Anderson e Floyd Council. O nome soava certo. Tornou-se uma homenagem que salvou estes dois excelentes músicos (segundo todos que ouviram ou tocaram tanto com Pink quanto com Floyd) de uma total obscuridade.

Ouça e veja Pink Floyd aqui:

http://www.youtube.com/watch?v=F84QpFYtDvI&feature=related

http://www.youtube.com/watch?v=Oc4qi03QgOg

Comentários

Anônimo disse…
Estou aplicado, valeu

Postagens mais visitadas deste blog

MÉTODO PARA GAITA DIATÔNICA - LEANDRO FERRARI - GAITA FOLK, POP & ROCK - VOLUME 1

R$ 49,00 PIX CNPJ:  21.081.155.0001/70 Método digitalizado + audio Contato Whatsapp: Leandro Ferrari +55 73 998707338 +44 7376934825 1a Edição  ( EQUIPE MIDIDÁTICA CONSULTORIA LTDA CHEESEBREAD STUDIOS) Título: MÉTODO PARA HARMÔNICA DIATÔNICA - LEANDRO FERRARI - GAITA FOLK, POP & ROCK - VOLUME 1 Autor: Leandro Ferrari Original de Belo Horizonte/MG/Brasil Revisão: Fernanda Shairon Ilustração: Marcelo Braga (EQUIPE MIDIDÁTICA CONSULTORIA LTDA & CHEESEBREAD STUDIOS) Diagramação: Yuri Martuccelli (EQUIPE MIDIDÁTICA CONSULTORIA LTDA & CHEESEBREAD STUDIOS) Direção Geral: José Renato Caldeira de Souza (EQUIPE MIDIDÁTICA CONSULTORIA LTDA & CHEESEBREAD STUDIOS) Foto: Karlis Smits Design Logo: Marcão Freak Formato:  DIGITALIZADO Num. págs. 126 páginas Fotos: https://www.facebook.com/media/set/?set=a.10150938373933331.436116.827753330&type=1&l=5b63f7b595 Conteúdo:  O método é dividido em 100 aulas práticas e teóricas e acompanha
Spotify:  https://open.spotify.com/artist/5iTI2v1yC3rToB3xWHYw7a?si=y4MZPMZvTHetHrXhtIX1-g

Gaita e Efeitos

A utilização de pedais, filtros e truques de estúdio na gaita vêm de muito tempo. Tudo começou com Little Walter; preocupado em não perder espaço para as guitarras que haviam sido eletrificadas após a segunda guerra mundial ele adotou um procedimento simples, ligou um pequeno microfone em um amplificador e mudou de vez a história da gaita. Além de usar este método para obter mais volume ele também explorou novos timbres e efeitos até então inéditos. Segundo o pesquisador Madison Deniro ele foi o primeiro músico a utilizar, propositadamente, uma distorção eletrônica. Você pode notar então que a história da guitarra elétrica se cruza com a história da gaita elétrica. Mas por alguns motivos, dentre eles o conservadorismo dos músicos e do público de blues (diga-se de passagem, que tem todo meu respeito e meu entendimento, pois é necessário exaltar e manter as raízes e a história, também) a gaita não acompanhou o desenvolvimento da guitarra. Nomes como Jimi Hendrix, Jeff Back, Jr. Tostoi