Pular para o conteúdo principal

Bends Acontece - Entrevista: Leandro Ferrari:“A gaita é o instrumento mais carismático do mundo!”


15/03/2011

"Nesta entrevista o Endorsee Bends Leandro Ferrari fala do uso da gaita em diversos estilos musicais, e dá detalhes sobre uso de pedais de efeito em sua técnica musical"

De que forma você comecou a buscar estes novos estilos, fora do blues?

“No inicio de 1999, fui convidado pelo cantor Bauxita para gravar algumas faixas com a banda Jam Pow. O grupo tocava gêneros como Ska, Pop, Rock e Reggae. Tudo pra mim era novidade, visto que desde 1990 havia trabalhado somente com bandas de blues rock na noite de BH. Este CD foi produzido pelo Haroldo
Ferreti e pelo Henrique Portugal, ambos integrantes do Skank.

Estava cada vez mais difícil manter um trabalho direcionado somente para o blues em minha cidade. Como sempre sobrevivi da música e almejava me profissionalizar cada vez mais, tive que buscar novos ares. São poucas as boas referências para gaita na música pop. Diferente do blues, samba, jazz, etc. Comecei então a copiar outros instrumentos e redescobri a música pop.”

De que forma percebeu que a gaita poderia se encaixar nestas novas propostas sonoras?

Após o CD participei também das turnês da Jam Pow e senti falta de colaborar um pouco mais. Comecei a pesquisar o uso de pedais e criar texturas como as produzidas por guitarras e sintetizadores. Funcionou e me senti mais útil e mais livre para tocar e conhecer novos gêneros e sonoridades (Hip Hop, Dub, Drum’n Bass, Pop, etc.). Sempre curti música pop e experimental. Usando pedais me senti realmente com liberdade para experimentar. Era uma novidade e naquele meio a idéia sempre foi bem-vinda.”

Quais foram as referencias musicais que abriram seus olhos para estes novos caminhos?

Já tinha ouvido John Popper, Robert Plant, Mark Ford, Sugar Blue e Mad Cat experimentarem essa idéia. O que eles tinham em comum, era que normalmente isso era feito sobre o blues ou rock. Resolvi arriscar um pouco mais, aumentar o número de pedais e não ter limites em relação às possibilidades musicais.
Com o tempo me liguei em outros instrumentistas que tinham a mesma de idéia de usar texturas diferentes em suas canções. Posso citar: The Edge, Tom Morello, Jr Tostoi, Herbie Hancock, Miles Davis, Hendrix, Gleison Túlio (MG), Sonic Youth, Radiohead e Jeff Beck. “

Como foram as experiências iniciais com os pedais e os efeitos?

“Deu trabalho, pois não existiam tantas referências como hoje. Tinha que comprar, usar e vender caso não desse certo. Tudo começou com os emuladores da Line 6. Esses equipamentos são indicados para os que não dominam completamente os pedais analógicos. Eles também captam melhor o som de um mic. Depois passei para os pedais e amplificadores e hoje cheguei aos pedais e pré-amp. Reafirmo meus
conceitos sobre os emuladores. Minha maior dificuldade era manter o timbre original do instrumento. Consegui isto cancelando o amp; já não tenho mais o timbre de guitarra associado ao meu som. Esse ponto, hoje, é meu diferencial em relação aos novos adeptos do uso de pedais na gaita. Considero três tipos de efeitos, os mais importantes: Delays, Oitavadores e Synths.”

-De que forma você mantem o blues presente no seu trabalho?

Lancei em 2006 o CD “Leandro Ferrari y Compadres” e pude conhecer mais a música Eletrônica, o Dub e o Hip Hop. Em 2010 lancei o CD “Fat Nasty”, que integra o blues aos gêneros usados no CD anterior.
Lembrei-me de uma critica do “Uncle” John Turner (ex-baterista do Johnny Winter) ao blues brasileiro. Em 1996 conheci o Uncle Turner no show do Nuno Mindelis em SP. Ele me disse estar decepcionado por vir ao Brasil conhecer o nosso blues e descobrir que na maior parte das vezes ele é uma réplica mal feita do blues americano. O CD “Fat Nasty” talvez seja uma resposta a essa critica. De qualquer forma eu ainda realizo festivais e acompanho bandas de blues brasileiras e de fora também. Está no sangue, por mais que eu esteja enferrujado, a gente nunca esquece ou deixa de sentir o blues. Como não gosto de seguir tendências e sim criar tendências, meu novo objetivo, após pesquisar novas texturas para a harmônica, é trilhar novos caminhos com ela.”

Como os músicos de outras áreas receberam seu trabalho, tocando estes estilos na gaita?

“Receberam com muito entusiasmo e curiosidade. A gaita é o instrumento mais carismático do mundo.
Todos amam a gaita e querem um pouco dela em seus trabalhos. Ainda não sou tão requisitado para gravações usando pedais, tanto quanto sou para o uso da gaita tradicional. Mas alguns se arriscaram e gostaram do resultado final. É tudo muito novo ainda. Há dez anos atrás eu era um “ET” e minha presença em "Encontros de Gaitistas" tinha que ser justificada ao final das minhas apresentações; quase um pedido de desculpas. Ainda bem que Flávio Guimarães, Sérgio Duarte, Rodrigo Eisinger, Carlos May, Bruno Castro, Júlio Rêgo, Thiago Cerveiras, Jr. Gaiatto, André Serrano e Rodrigo Eberienos me incentivavam a continuar o que outros haviam começado. A Bends abraçou a causa em 2007 e eu adiei minha internação para tratamento psicológico por mais alguns anos....
Em 2009 o Rildo Hora me fez um elogio no Fórum de Harmônicas de Fortaleza. Comecei a achar que não era tanta loucura assim! “

E qual a resposta do público? Qual o perfil de quem assite e escuta seu som?

“Tem uma galera curiosa e que sempre manda e-mails fazendo perguntas sobre minhas experiências com pedais, ou sobre as fusões que tenho feito. Normalmente fazem parte da geração Y, são bem novos e com a cabeça sempre antenada. O que mudou muito de dez anos pra cá, é que antes as pessoas procuravam as aulas de gaita por gostarem de blues. Hoje eles procuram as aulas, independente do estilo. E isso é muito bom para o instrumento. Meu trabalho também é consumido por outras faixas etárias. “

Porque a escolha do Marcelinho Guerra para produzir e como foi trabalhar com ele?

Quando conheci o Marcelinho, ele era um promissor estudante de guitarra na Pro Music (escola que ministrei meu curso de gaita de 1997 a 2009). Hoje ele está com 21 anos, se não me engano, e é um músico prodígio, extremamente talentoso e profissional. Eu reencontrei ele em 2009 na gravação do “Feira Moderna” da Rede Minas, no especial do Maurinho Nastácia. Conversamos sobre a possibilidade
de ele produzir meu novo CD. Como era um trabalho experimental e novo, nada melhor do que alguém que representa a nova geração de músicos de BH com extrema competência, criatividade e coragem. Topei na hora!”

Quais seus novos projetos?

Pretendo lançar ainda este ano meu método de gaita: “Gaita Folk, Pop & Rock – volume 1 e 2”. Estou em turnê divulgando meu novo CD e já pensando no próximo. Provavelmente lançarei um DVD do “Fat Nasty” antes deste próximo trabalho.”


http://www.bendsharmonicas.com.br/midia/noticias.php?COD_NOTICIA=669&mesEdicao=3

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÉTODO GRATUITO PARA GAITA DIATÔNICA - LEANDRO FERRARI - GAITA FOLK, POP & ROCK - VOLUME 1

ClICK AQUI PARA DOWNLOAD GRÁTIS  CLICK AQUI PARA DOAÇÕES   AULAS DE GAITA ONLINE: www.leandroferrari.com 2a Edição  ( EQUIPE MIDIDÁTICA CONSULTORIA LTDA CHEESEBREAD STUDIOS) Título: MÉTODO PARA HARMÔNICA DIATÔNICA - LEANDRO FERRARI - GAITA FOLK, POP & ROCK - VOLUME 1 Autor: Leandro Ferrari Original de Belo Horizonte/MG/Brasil Revisão: Fernanda Shairon Ilustração: Marcelo Braga (EQUIPE MIDIDÁTICA CONSULTORIA LTDA & CHEESEBREAD STUDIOS) Diagramação: Yuri Martuccelli (EQUIPE MIDIDÁTICA CONSULTORIA LTDA & CHEESEBREAD STUDIOS) Direção Geral: José Renato Caldeira de Souza (EQUIPE MIDIDÁTICA CONSULTORIA LTDA & CHEESEBREAD STUDIOS) Foto: Karlis Smits Design Logo: Marcão Freak Formato:  DIGITALIZADO Num. págs. 126 páginas Fotos: https://www.facebook.com/media/set/?set=a.10150938373933331.436116.827753330&type=1&l=5b63f7b595 Conteúdo:  O método é dividido em 100 aulas práticas e teóricas e acompanha arquivos de áudio (b
Spotify:  https://open.spotify.com/artist/5iTI2v1yC3rToB3xWHYw7a?si=y4MZPMZvTHetHrXhtIX1-g

Milk’n Blues: Blues & Pop

"Uma brincadeira que se tornou um vício! É assim que as vocalistas Anne Glober e Aline Mota definem o início da banda Milk´n Blues, em dezembro de 2011. As duas garotas, que são amigas de infância, estavam com enorme vontade de gravar um vídeo de suas músicas “covers”. Para isso, necessitavam do acompanhamento de um bom guitarrista. Foi então que se lembraram de Ricardo Maranhão, o professor violão e vizinho de Anne, imediatamente aceitou o convite. O trio se reuniu, definiu as canções, gravou dois vídeos e postou na internet. Em dois meses, tornou-se sucesso de visualização e comentários positivos do público. Todos os comentários seguindo este tom: “Nossa, versão de muito bom gosto. Muito bom mesmo. Tanto as vozes quanto os instrumentos muito bem colocados. Sensacional! Parabéns!”. Logo em seguida, as meninas e o professor de violão ganharam o reforço da gaitista Indiara Sfair, que acrescentou “magia” ao som dos três. Pois bem, com quatro integrantes o grupo já merecia um no