Pular para o conteúdo principal

Muddy Waters - Electric Mud (1968): blues experimental, funky, rock e psicodelia


"Fiquei surpreso ao ver tanta influência do rock psicodélico no álbum desse grande bluesman. Já disse o querido ChrisGoesRock, esse álbum não é para aqueles que se consideram blueseiros puristas. Muddy Waters traz um álbum original que foge um pouco do blues tradicional e incorpora elementos do rock psicodélico. O disco foi lançado em 1968 e Jimi Hendrix fazia história com sua guitarra distorcida neste ano. Dá pra perceber aqui uma grande influência desse momento, pois Muddy Waters sai do blues tradicional e entra no rock psicodélico mais barulhento e distorcido pra acompanhar os ouvidos da época. Neste álbum Muddy Waters traz regravações de suas músicas como "I Just Want To Make Love To You", "I'm Your Hoochie Coochie Man", e "Mannish Boy", só que agora numa pegada mais rock. Um dos melhores álbuns de blues rock psicodélico setentista que já ouvi. Confira "I'm Your Hoochie Coochie Man" antes de baixar o álbum." lenhador



"Tem gente que não curte por não ser blues tradicional. Há pouco tempo atrás eu soube inclusive que o próprio Muddy renegou este disco. Mas e daí? É difícil defender uma obra cujo próprio criador repudia mas, eu, particularmente, à parte das questões que envolveram sua concepção e pseudo-purismos musicais, considero este um baita de um disco. "Electric Mud" de 1968 aproximava ainda mais o velho e bom blues do psicodelismo corrente naquele final de anos 60 nos quais Jimi Hendrix, por exemplo, já começava a ensaiar esta tendência. Com guitarras mais pesadas, efeitos e levadas mais viajantes, o velho Muddy mostrava vocais simplesmente alucinados e solos enlouquecidos. Ele que já havia sido um dos grandes responsáveis pelo conceito de blues band, que desenvolvera um jeito todo particular de tocar guitarra, ele que fora um dos blueseiros que mais aproximara sua linguagem com a do rock, agora dava peso e experimentalismo ao blues como nenhum bluesman da escola tradicional havia ousado fazer até então. O resultado disso são oito pérolas do rock-blues com a qualidade e a marca registrada da guitarra do Chefe de Chicago .... tudo é demais nesse disco!
Mas o grande barato mesmo, para mim, é a versão de "Let's Spend the Night Together" dos Rolling Stones. Inspiradíssima, ácida, empolgante, emocionante, envolvente, uma daquelas versões que faz a gente questionar se a cover não seria até melhor que a original. Será? Diz-se que a ideia do disco neste conceito mais rock, mais doidão, mais eclético teria sido do filho do dono da gravadora, Marshall Chess, que achava que a cerreira do cantor não estava indo muto bem e aproveitou a onda psicodélica para 'sugerir' que Muddy fizesse um disco nessa linha. Ao que consta, foi tudo meio forçado, meio goela abaixo e Muddy não gostou muito disso nem do resultado final. Ao que parece fãs do blues mais tradicional e da obra do cantor também torceram o nariz e o disco foi um fracasso no Estados Unidos. Pra mim, independente do conceito, da ideia, da aprovação ou não do próprio autor da obra, o resultado final é uma das melhores coisas originadas da fusão direta do blues e do rock, que, afinal de contas, além de serem como pai e filho, desde que o rock se originou dele, sempre andaram de mãos dadas mesmo. O fato é que se McKinley Morganfield, vulgo Muddy Waters, fez este disco contrariado e não gostou do que fez, deu muita sorte em fazê-lo e, sobretudo, nós demos muita sorte de que ele o tenha feito e tenha saído desse jeito. Produziu, talvez, por acaso, uma obra-prima." clyblog

LINK PARA DOWNLOAD: http://www.megaupload.com/?d=ACWJWKYI

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÉTODO PARA GAITA DIATÔNICA - LEANDRO FERRARI - GAITA FOLK, POP & ROCK - VOLUME 1

R$ 49,00 PIX CNPJ:  21.081.155.0001/70 Método digitalizado + audio Contato Whatsapp: Leandro Ferrari +55 73 998707338 +44 7376934825 1a Edição  ( EQUIPE MIDIDÁTICA CONSULTORIA LTDA CHEESEBREAD STUDIOS) Título: MÉTODO PARA HARMÔNICA DIATÔNICA - LEANDRO FERRARI - GAITA FOLK, POP & ROCK - VOLUME 1 Autor: Leandro Ferrari Original de Belo Horizonte/MG/Brasil Revisão: Fernanda Shairon Ilustração: Marcelo Braga (EQUIPE MIDIDÁTICA CONSULTORIA LTDA & CHEESEBREAD STUDIOS) Diagramação: Yuri Martuccelli (EQUIPE MIDIDÁTICA CONSULTORIA LTDA & CHEESEBREAD STUDIOS) Direção Geral: José Renato Caldeira de Souza (EQUIPE MIDIDÁTICA CONSULTORIA LTDA & CHEESEBREAD STUDIOS) Foto: Karlis Smits Design Logo: Marcão Freak Formato:  DIGITALIZADO Num. págs. 126 páginas Fotos: https://www.facebook.com/media/set/?set=a.10150938373933331.436116.827753330&type=1&l=5b63f7b595 Conteúdo:  O método é dividido em 100 aulas práticas e teóricas e acompanha
Spotify:  https://open.spotify.com/artist/5iTI2v1yC3rToB3xWHYw7a?si=y4MZPMZvTHetHrXhtIX1-g

Gaita e Efeitos

A utilização de pedais, filtros e truques de estúdio na gaita vêm de muito tempo. Tudo começou com Little Walter; preocupado em não perder espaço para as guitarras que haviam sido eletrificadas após a segunda guerra mundial ele adotou um procedimento simples, ligou um pequeno microfone em um amplificador e mudou de vez a história da gaita. Além de usar este método para obter mais volume ele também explorou novos timbres e efeitos até então inéditos. Segundo o pesquisador Madison Deniro ele foi o primeiro músico a utilizar, propositadamente, uma distorção eletrônica. Você pode notar então que a história da guitarra elétrica se cruza com a história da gaita elétrica. Mas por alguns motivos, dentre eles o conservadorismo dos músicos e do público de blues (diga-se de passagem, que tem todo meu respeito e meu entendimento, pois é necessário exaltar e manter as raízes e a história, também) a gaita não acompanhou o desenvolvimento da guitarra. Nomes como Jimi Hendrix, Jeff Back, Jr. Tostoi