Pular para o conteúdo principal

Seasick Steve e ‘o beijo da morte’



"Steven Gene Wold nasceu no ano de 1941, em Oakland, em San Francisco no período do pós-guerra, quando os brancos começaram a prestar atenção na música da América negra. Seu pai tocava piano boogie-woogie em uma banda local, raro para um homem branco. Steve tentou o piano, mas seus dedos não eram longos o suficiente para chegar a algum lugar como pianista. Em vez disso, aos 7 anos, ele se apaixonou por uma guitarra que conheceu em um acampamento de verão. No momento que a viu, sabia que ia tocar guitarra para sempre. Com KC Douglas, cantor e guitarrista de blues que trabalhou para o seu avô, teve aulas de guitarra enquanto ouvia as histórias do Delta do Mississippi. Após seus pais se separarem, Steve passou a viver com sua mãe. Para evitar abusos nas mãos de seu violento padrasto, aos 13 anos, fugiu de casa. Passou o resto de sua adolescência trabalhando em fazendas ou em parques de diversões, lugares onde não exigiam documentos.

Viajando longas distâncias saltando de caminhão em caminhão por toda a América, sempre com seu violão, Seasick Steve estava apenas tentando sobreviver, e essa era a única maneira na época. Foi preso como vagabundo e passou algum tempo em um centro de detenção juvenil. Na década de 60 começou a tocar em clubes na costa oeste apoiado por Son House, cantor e guitarrista de blues. Partiu para a Europa, em 1972, tocou no metrô de Paris. Foi contratado como engenheiro de estúdio e tocou guitarra em bandas. Na década de 80 retornou aos Estados Unidos. Foi depois que ele montou o seu estúdio em Olympia, uma cidade próxima ao sul de Seattle, que a carreira musical de Steve começou a engrenar. Descobriu que o punk grunge estava decolando e em seu estúdio gravou com várias bandas como ‘Modest Mouse’ e ‘Bikini Kill’. Conheceu o ‘Nirvana’ tocando em um bar e Kurt Cobain tornou-se um amigo. 




Sua carreira de blues foi reativada em 1996 quando apoiou RL Burnside, cantor, compositor e guitarrista de blues, ao se apresentar em Seattle. Seasick Steve e sua guitarra enlouqueceram a platéia. Em 2001, mudou-se para Oslo. Foi em Oslo que Steve adquiriu seu apelido ‘Seasick’ depois de uma experiência de revirar o estômago em um cruzeiro para a Dinamarca. Em 2006, com 65 anos, seu primeiro álbum, ‘Dog House Music’ foi lançado pela gravadora independente Bronzerat e sacudiu a mídia. Em 2007, ele gravou um álbum com os músicos suecos, Jo Husmo no baixo e Kai Christoffersen na bateria. ‘Cheap by Seasick Steve and the Level Devils’ foi lançado no Reino Unido por dois DJs influentes, Charlie Gillett e Joe Resonance que incentivaram Seasick Steve a ir para Londres. Justamente quando parecia que as coisas estavam finalmente começando a acontecer para Seasick Steve, ele sofreu um ataque cardíaco em casa, em Oslo. Felizmente para ele, sua esposa era treinada como enfermeira. Steve sobreviveu e havia muitas pessoas esperando para ouví-lo na Grã-Bretanha. No circuito dos festivais europeus no verão de 2007, ele foi a sensação e eleito como a melhor revelação na ‘Mojo Awards’, cerimônia que teve início em 2004 pela ‘Mojo’, revista sobre música publicada mensalmente no Reino Unido. Em 2009, foi nomeado pela ‘Brit Award’ na categoria de melhor artista masculino internacional individual.

Steve, que detesta o que ele chama de ‘a polícia do blues’ e considera qualquer elogio da comunidade purista como ‘o beijo da morte’, tem o prazer de acolher todos os jovens que vêm aos seus shows, e que nada sabem sobre Charley Patton ou Son House."


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÉTODO PARA GAITA DIATÔNICA - LEANDRO FERRARI - GAITA FOLK, POP & ROCK - VOLUME 1

R$ 49,00 PIX CNPJ:  21.081.155.0001/70 Método digitalizado + audio Contato Whatsapp: Leandro Ferrari +55 73 998707338 +44 7376934825 1a Edição  ( EQUIPE MIDIDÁTICA CONSULTORIA LTDA CHEESEBREAD STUDIOS) Título: MÉTODO PARA HARMÔNICA DIATÔNICA - LEANDRO FERRARI - GAITA FOLK, POP & ROCK - VOLUME 1 Autor: Leandro Ferrari Original de Belo Horizonte/MG/Brasil Revisão: Fernanda Shairon Ilustração: Marcelo Braga (EQUIPE MIDIDÁTICA CONSULTORIA LTDA & CHEESEBREAD STUDIOS) Diagramação: Yuri Martuccelli (EQUIPE MIDIDÁTICA CONSULTORIA LTDA & CHEESEBREAD STUDIOS) Direção Geral: José Renato Caldeira de Souza (EQUIPE MIDIDÁTICA CONSULTORIA LTDA & CHEESEBREAD STUDIOS) Foto: Karlis Smits Design Logo: Marcão Freak Formato:  DIGITALIZADO Num. págs. 126 páginas Fotos: https://www.facebook.com/media/set/?set=a.10150938373933331.436116.827753330&type=1&l=5b63f7b595 Conteúdo:  O método é dividido em 100 aulas práticas e teóricas e acompanha
Spotify:  https://open.spotify.com/artist/5iTI2v1yC3rToB3xWHYw7a?si=y4MZPMZvTHetHrXhtIX1-g

Gaita e Efeitos

A utilização de pedais, filtros e truques de estúdio na gaita vêm de muito tempo. Tudo começou com Little Walter; preocupado em não perder espaço para as guitarras que haviam sido eletrificadas após a segunda guerra mundial ele adotou um procedimento simples, ligou um pequeno microfone em um amplificador e mudou de vez a história da gaita. Além de usar este método para obter mais volume ele também explorou novos timbres e efeitos até então inéditos. Segundo o pesquisador Madison Deniro ele foi o primeiro músico a utilizar, propositadamente, uma distorção eletrônica. Você pode notar então que a história da guitarra elétrica se cruza com a história da gaita elétrica. Mas por alguns motivos, dentre eles o conservadorismo dos músicos e do público de blues (diga-se de passagem, que tem todo meu respeito e meu entendimento, pois é necessário exaltar e manter as raízes e a história, também) a gaita não acompanhou o desenvolvimento da guitarra. Nomes como Jimi Hendrix, Jeff Back, Jr. Tostoi